Escolha uma cidade
HOME   |   CADASTRE-SE NO PORTAL   |   ÁREA PARA PARCEIROS   



Conhece Colatina?
seta piscando Deixe seu comentário!
Envie suas fotos!

Colatina

INFORMAÇÕES | FOTOS |VíDEOS | HOSPEDAGEM | RESTAURANTES | AGÊNCIA DE TURISMO | IMOBILIÁRIAS | LOCADORA DE VEÍCULOS | GUIAS DE TURISMO | OUTROS




Roteiros do Brasil

Região Turística Doce Pontões Capixaba

"Princesa do Norte"

hspace=0 HISTÓRIA DA CIDADE:

1501 - Descoberta do Rio Doce a 13 de dezembro por uma expedição comandada por André Gonçalves, recebendo o nome de Barra ou Rio Santa Luzia, dedicado a esta santa.
1572 - O Rio Doce começou a ser utilizado para a penetração no interior, por Sebastião Fernandes Tourinho, que encontrou água doce à 6 milhas do mar, o que determinou a mudança do nome do rio. Na expedição a marca foi fundação de cidades.
1574 - Antonio Dias Adorno avança pela região caçando índios e encontra riquezas minerais. 1798 - Foi criado um posto militar e fiscal e um presídio em Contins.
1800 - Toma posse o novo governador da Capitania, Antonio Pires da Silva Pontes, que iniciou a abertura de uma estrada após ter notícia da descoberta de minas de ouro na região. O presídio de Contins é arrazado pelos botocudos e com sua reconstrução recebe o nome de Linhares. Surge a primeira propriedade agrícola.
1827 - É concedida ao Conde de Linhares uma extensa área de terras. Começa definitivamente a colonização, o ciclo da produção agrícula e chegam os primeiros habitantes.
1833 - Linhares é elevada a categoria de vila em 02 de abril.
1857 - Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite demarca uma área dividindo-a em lotes. Esta colônia recebe o nome de Franscilvânia que dá origem ao bairro São Silvano.
1888 - Chegam no vapor Adria os primeiros colonizadores italianos a Colatina. Constrói-se um barracão que recebe o nome de Santa Maria, em Colatina Velha. Logo em seguida, chegam os imigrantes alemães, suiços, poloneses e italianos.
1892 - Início da construção das primeiras casas em Colatina, próximo ao colégio Conde de Linhares.
1906 - Em 20 de dezembro é inaugurada a primeira estação ferroviária de Colatina, na Praça Municipal.
1907 - Alexandre Calmon lidera um movimento e consegue trazer para a Vila de Colatina a sede da comarca do município. Pela Lei 471 de 22 de outubro de 1907, a vila de Colatina é oficialmente institucionalizada como a sede do município de Linhares.
1916 - Colatina torna-se a capital do estado, através da rebelião conhecida como a Revolta de Xandoca, a 29 de junho.
1921 - Colatina é elevada a categoria de município através da Lei 1307 de 30 de Dezembro, com o território que pertencia a Linhares, São Gabriel da Palha, Baixo Guandú, Marilândia e São Domingos.
1926 - Início da construção da Ponte Florentino Avidos sobre o Rio Doce com mil metros inaugurada em 1928. conta atualmente com 800 metros por ter sido retiradas duas logarinas de aço que estavam no centro da cidade. Tecnologia de construção alemã, inglesa e belga.
1935 - Colatina perde a área de Mascarenhas e Baixo Guandú.
1945 - Através da Lei 15117, desligam-se os distritos de Linhares e Regência.
1963 - Desligam-se pela Lei 1837 os distritos de Pancas e São Gabriel.
1975 - São iniciadas as obras de retirada dos triilhos da linha férrea do centro da cidade de Colatina, atual avenida Getúlio Vargas.
1979 - Colatina vive momentos dramáticos com a ocorrência da grande cheia do Rio Doce e Santa Maria que inundou todo o centro da cidade.
1980 - Emancipa-se o distrito de Marilândia, após movimento feito pela própria cidade. Lei 3345 de 14 de maio.
1988 - Emancipa-se o município de São Domingos do Norte.
1990 - Em 15 de julho, instala-se a Diocese de Colatina. A Igreja Matriz passa a Catedral do Sagrado Coração de Jesus. O Vale do Rio Doce era, antigamente, um intenso e verdejante território, cobiçado e misterioso por suas riquezas ainda inexploradas que constituíam uma fonte de ambição, onde o aventureiro arriscaria a própria vida para conquistá-lo. Um dia, um capitão de milícias, Antônio Pires da Silva Fontes Leme, tentou a abertura de uma estrada até Minas Gerais, tendo como ponto de partida a sede da capitania do Espírito Santo. É claro que para a realização de tal empreendimento, deveria ser feito um completo levantamento da bacia do rio Doce. Houve a iniciativa, mas Pires não conseguiu concluir as obras almejadas. Em 1857, Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite fundou a Franscilvânia nas terras contíguas aos rios Pancas e São João. A expedição , contudo, não logrou alcançar Colatina. Mas estava lançada a semente no terreno da colonização do solo colatinense justamente do lado norte, próximo do bairro São Silvano, que se chamava Franscilvânia. De acordo com dados históricos levantados pela revista Nossa , o norte do rio Doce em Colatina teve a sua primeira tentativa de colonização organizada em 1857, quando o engenheiro Nicolau Rodrigues dos Santos França Leite demarcou uma área bastante extensa, com cerca de 30 km pela margem esquerda do rio, que ficava entre as barras do rio Pancas e São João. Ele pretendia localizar nos vários lotes divididos os colonos estrangeiros já que possuía uma autorização do Governo Imperial para trazer até 2 mil imigrantes, destacando-se entre eles os italianos e alemães. O Dr. Nicolau deu o nome de Franscilvânia à sua colônia. Em junho de 1857 ele navegou pelo rio Doce em um navio que transportava 1.000 arrobas de carga e 46 colonos, entre portugueses, franceses e alemães. Era um barco à vela de 38 toneladas que tinha como destino a região de Franscilvânia. Como os lotes já estavam demarcados, os colonos foram assentados sem problemas de divisão de terras. Mas um fato veio atrapalhar o sonho dos colonos de se tornarem grandes produtores rurais: a hostilidade dos índios. Com isso, a colônia não chegou a durar nem três anos, uma vez que os índios assaltaram as novas propriedades, massacrando muitas famílias de colonos. Este fato abalou a opinião de outros imigrantes, que se desencantaram com a possibilidade de ocupar a região até então inóspita. Isso retardou por muitos anos o povoamento definitivo do norte do rio Doce. As febres existentes na região também influíram negativamente contra a povoação da área. Com isso, as florestas das região continuaram praticamente despovoadas por cerca de 30 anos. Pelo que se conseguiu deduzir, apenas uma picada no meio da mata, pela margem do rio Pancas, ligava o aldeamento dos índios a antiga Frâncilvania. Uma outra picada fazia a ligação entre o mesmo aldeamento e o Porto do Souza, margeando o rio Mutum. Presume-se que os moradores do sul do rio Doce sempre faziam pequenas investidas na parte norte, na tentativa de se apossarem de terras inabitadas. Foram abertas assim, algumas clareiras à margem do rio Doce, tendo início a ocupação do norte pelos colonizadores.
Desta forma, o número de pioneiros foi aumentando, avançando para o norte, margeando os rios e córregos . Até 1925, o norte do rio doce era praticamente um grande sertão. Em 1928, a ponte Florentino Avidos foi concluída, com 750 metros de comprimento, e após a desistência da idéia da construção da estrada de ferro que ligava Colatina à São Mateus, ficou sendo importante via de acesso de pedestres e veículos para São Silvano e redondezas. A partir daí, a produção de várias culturas começou a se desenvolver; produção essa que era escoada para outras regiões através da cidade de Colatina (centro), que centralizava todas as atividades comerciais da região. Com a travessia fácil para o norte, a extração de madeira começou a se intensificar, mais tarde, a produção de café também contribuíra para mais uma etapa de desmatamento da região. Sendo assim, as derrubadas foram aumentando sucessivamente, com os madeireiros avançando sempre mais para o norte, abrindo picadas e estradas rumo a São Domingos e Águia Branca. Um outro grupo de pioneiros se dirigiu também para o Córrego da Liberdade, Governador Lindenberg e Marilândia. Esse desbravamento foi feito por italianos que, em grandes números, fixaram residência no interior, enquanto que outros se fixaram na região que hoje é o bairro de São Silvano. Em 1938 terminou a crise cafeeira que existiu naquela década e novos pioneiros se dirigiram para o norte, em busca der extensas áreas favoráveis ao plantio de café. A Companhia Territorial S/A contribuiu muito para a ocupação da área, com demarcação, loteamento e venda das terras nos seus 10 anos de funcionamento em Colatina, a partir de 1923. A Companhia Territorial S/A foi muito importante para a ocupação do norte colatinense , sendo que, no final de 1932, haviam 1.368 famílias, perfazendo 7.940 pessoas, nos lotes que ela vendera. Eram, em sua maioria brasileiros; contudo, também ocuparam a região grande número de imigrantes italianos, alemães, portugueses, espanhóis poloneses, sírios e russos. Na verdade a Companhia S/A foi responsável por cerca de 10 mil assentamentos. Na época da expansão dessas terras, o norte do rio doce, em Colatina, compreendia os municípios de Baixo Guandu, Pancas, São Gabriel da Palha e Linhares. A partir daí é que a região começou, gradativamente, a se desenvolver, transformando-se na progressista terra que abriga hoje os bairros de São Silvano, Córrego do Ouro, Maria das Graças e Honório Fraga, entre outros.  

Significado do Nome:

 

Aniversário da Cidade:

22 de Agosto 

Gentílico:

colatinense

População: 

111.788 habitantes 

hspace=0 CARACTERÍSTICAS:

Município situado às margens do Rio Doce, apelidado de Princesa do Norte, Colatina é um importante pólo da indústria de confecção do Estado e elo de ligação do sistema de transporte rodoviário, entre o norte do Estado e Vitória. Além disso, abriga o maior Frigorífico da América Latina e um grande parque moveleiro.

Clima:

Quente e úmido, com chuvas entre Outubro e Janeiro.

Temperatura Média

28º C

hspace=0 COMO CHEGAR

Partindo de Vitória: BR- 259, trem pela Estrada de Ferro Vitória- Minas e avião 

Localização

Município do Noroeste do Estado do Espírito Santo.

Limites

Norte: Pancas e São Domingos do Norte, Sul: Itaguaçú, São Roque do Canaã e João Neiva, Leste: Rio Bananal, Linhares e Marilândia, Oeste: Baixo Guandú.

Acesso Rodoviário

Estação Rodoviária- Praça Municipal- Tel: 3722- 2377

Distâncias

Da Capital

128 Km

Outras: 

 

hspace=0 TURISMO:

Resumo:

Colatina oferece um grande potencial para o ecoturismo, pois há no campo belas paisagens e fazendas bem cuidadas. Destaque para São Pedro Frio, a 600 metros de altitude, a 40 quilômetros do Centro, que oferece clima de montanha aos visitantes. Vale a pena conhecer as lagoas do Limão, Pau Gigante, Coroa Verde, Barbados, Óleo, Patrão Mor. Além das cachoeiras do Oito, Onze, Vinte e Onça.

Principais Pontos Turísticos:

Cachoeiras

Cachoeira do Oito, a 8 Km

Cachoeira do Onze, a 10 Km

Cachoeira do Vinte, a 20 Km

Cachoeira da Onça, a 70 Km

Rio Doce

Atravessa a cidade e é o mais importante rio do Estado.

Lagoas

Lagoa do Pau Gigante, a 20 Km

Lagoa do Limão, a 40 Km 

Lagoa da Coroa Verde, a 33 Km

Lagoa de Barbados, a 10 Km

Lagoa do Óleo, a 12 Km 

Lagoa da Boa Morte, a 20 Km

Lagoa do Patrão-Mor, a 20 Km

Estátua de Cristo Redentor

Localizada no centro da cidade. 

Ponte Florentino Avidos

Com 750 metros de comprimento. Fica sobre o Rio Doce, ligando o Sul e o Norte do Estado. Foi inaugurada em 1928. 

Distrito de Itapina

Itapina é um povoado bucólico, que já foi um dos pontos comerciais de café mais ricos de Colatina. Em 1907 já era servida pela Estrada de Ferro Vitória a Minas, contando com uma Estação, tendo atingido o seu auge a partir do final da década de 1910. Lojas de carros e artigos importados, comerciantes de seda e outros artigos finos, faziam o comércio de Itapina mais movimentado que o da sede do município, Colatina.
Tinha posto de gasolina, cinema, escolas, posto de saúde e muitos armazéns para estocagem e comércio de café. Foi uma das primeiras cidades capixabas a ter energia elétrica, com uma hidrelétrica que atendia à vila.
Atualmente não há mais movimento comercial. Mas o casario, embora não tombado pelo patrimônio histórico, é um testemunho dos tempos áureos do lugar.
Fica localizada ao sul do Rio Doce, escondida entre Colatina e Baixo Guandu. São cinco quilômetros de estrada a partir da BR asfaltada.
Atrações
Os casarios do lugar, lembranças do faustio da primeiras décadas do século XX.
Passeio de trem até Colatina, ou Vitória.
Travessia do Rio Doce, em balsa. 

Praça do Sol Poente

Localização: Centro

Ponte Florentino Avidos

construção de 1928, feita com material vindo da Bélgica, coberta com pranchões de madeira, possui 800M de extensão. Recebeu esse nome devido homenagem ao governador Florentino Avidos. Foi reformada em 1941, quando recebeu piso de concreto, sendo duplicada em 1955. situa-se sobre o Rio Doce e liga sul ao norte do Estado.

Igreja Catedral Colatina

Localização: Centro 

hspace=0 EVENTOS:

Calendário de Janeiro a Dezembro:

 Fevereiro

- Carnaval

- Congo de São Benedito

 Maio

- Festa do Cafona

 Junho

- Colafolia

- Carnaval fora de época

- Festa Junina de São Pedro

- Festival de Inverno

 Agosto

22- Festa de Colatina

 Setembro

- Exposição Agropecuária 

hspace=0 INFORMAÇÕES ÚTEIS:

PREFEITURA MUNICIPAL DE COLATINA

E-mail: falecomprefeito@colatina.es.gov.br

Telefones: (27) 3177-7000 

Sites: http://www.colatina.es.gov.br/

SUB-PREFEITURA:

E-mail:

Telefone:

INFORMAÇÕES AO TURISTA:

Terminal Rodoviário - Vitória-ES

Av. Alexandre Buarque, 350 - Ilha do Príncipe
Telefone : (27) 3222-3366

ENDEREÇO DO SITE OU PORTAL DA LOCALIDADE:

E-mail:

Telefone:

CARTÓRIOS: CIVIL, IMÓVEIS, TÍTULOS E DOCUMENTOS, OUTROS:

1º TABELIONATO DE NOTAS E PROTESTO, OFÍCIO DO REG. DE IMÓVEIS, TÍTULOS DOC. E PESSOAS JURÍDICAS:

E-mail: bbrunow@uol.com.br  

Telefones: (27) 3200-7125

Sites: http://portal.mj.gov.br/

CARTÓRIO ELEITORAL:

E-mail:

Telefone:

OUTRAS INFORMAÇÕES DE TELEFONES E E-MAILS:

HOSPITAIS:

CORPO DE BOMBEIROS: 193

DELEGACIA DE POLÍCIA:

OUTROS:

E-mails e telefones:

Sites: http://pt.wikipedia.org/

PESSOAS ILUSTRES NASCIDAS NA LOCALIDADE:

 

OUTRAS INFORMAÇÕES ÚTEIS DA LOCALIDADE: 


Conheça nossas opções de hotéis em Colatina e pousadas em Colatina para visitar Colatina.

Promova a cidade de Colatina no Férias. Envie-nos mais informações para alavancar sua cidade nesse novo contexto do turismo nacional!
Clique aqui.

 

 





 

HOME   |   CADASTRE-SE NO PORTAL   |   ÁREA PARA PARCEIROS   |   CONTATO

© Copyright 2014 - ferias.tur.br - Seu Portal de Turismo!